Vencedor do Prêmio 2018: Horta em movimento

Autores: Mário Luiz da Silva e Camila Queiroz
Escola: EMEF Profº Euclydes Ferreira
Cidade: Caraguatatuba (SP)
Ano: 2018
Objetivos do projeto: Utilizar a energia cinética, gerada a partir das atividades físicas dos alunos em bicicleta ergométrica, e transformá-la em energia elétrica para uso no sistema eletrônico/robótico de irrigação por gotejamento da horta escolar, proporcionando o entendimento sobre o ciclo de transformação da energia. O projeto também possibilita a compreensão dos benefícios da atividade física e os hábitos alimentares saudáveis na vida cotidiana.

Você acredita que é possível irrigar a horta da escola por meio das pedaladas dos alunos? O projeto Horta em Movimento, dos educadores Mário Luis e Camila Queiroz, provou que sim. Com a ajuda de estudantes e professores da EMEF Profº Euclides Ferreira, de Caraguatatuba, eles desenvolveram um sistema que permite aproveitar a energia gerada a partir dos movimentos humanos para alimentar o sistema que irriga os alimentos cultivados na escola.

Além de conscientizar sobre a importância da alimentação equilibrada e manter-se ativo, o projeto visa preparar os alunos para os desafios do século XXI. “O trabalho oferece aos estudantes, pais e toda a comunidade escolar, uma oportunidade de criar, solucionar problemas e trabalhar em grupo, habilidades exigidas na sociedade atual”, afirma Mário Luiz.

Passo a passo do projeto

Passo 1 – Estudo sobre a temática

Na primeira etapa, foi realizado um estudo com o objetivo de entender qual era a maior dificuldade em manter a horta produtiva durante o ano todo. A análise apontou que o empecilho era irrigar a plantação durante as férias e recessos escolares, além das regas diárias em horários determinados.

Outra investigação, iniciada anteriormente, também mostrou a necessidade de manter uma atividade física periódica para os alunos, e foi aí que surgiu a ideia de unir robótica, alimentação saudável e atividades físicas.

Com a ideia do projeto em mente, foi realizada uma divisão em três grupos de trabalho: grupo horta, grupo robótica e grupo sala de ginástica. Os alunos podiam escolher em qual gostariam de participar, de acordo com critérios pré-estabelecidos. Também era possível participar de dois grupos simultaneamente.

 

Passo 2 – Aulas de Educação Alimentar e de cozinha experimental

Após a análise do tema e paralelamente ao plantio na horta, a professora de Ciências Camila Queiroz elaborou aulas sobre os órgãos do sistema digestório, primeiros socorros e, principalmente, estudos da pirâmide alimentar e dos grupos alimentares.

Nessa etapa, também foram realizadas atividades práticas como a produção de um Caderno de Saúde, que tem o objetivo de incentivar os alunos a registrarem receitas e boas práticas alimentares.

Aulas de culinária e montagem de pratos com alimentos de feltro, respeitando o equilíbrio entre os elementos, também foram inclusas nesta fase do projeto.

Passo 3 – Aulas de Robótica

Para compreender o sistema tecnológico do projeto, os alunos do 9º ano participaram de aulas de robótica e auxiliaram a implementar o sistema de irrigação da horta na escola. A energia gerada a partir das bicicletas ergométricas é direcionada para a bateria onde ficam armazenadas para serem utilizadas nos sistemas eletrônicos da horta.

 

 

Passo 4 – Aulas na horta

Os alunos se envolveram com as atividades da horta, participando da montagem dos canteiros, seleção das espécies de plantio e cultivo. Eles também fizeram acompanhamentos periódicos do crescimento dos alimentos, limpeza dos canteiros e manutenção. Também tiveram aulas práticas nesse espaço como: propagação vegetativa de suculentas e cactos, plantas alimentícias não convencionais (PANCs) e defensivos agrícolas naturais.

Passo 5 – Piquenique

Após a colheita dos temperos cultivados na horta, os alunos prepararam sal com ervas em uma aula na cozinha experimental e levaram o produto para casa com a orientação de trazerem um alimento a partir de receitas compartilhadas de sua família. Com cerca de 20 alunos participantes, foi realizado um piquenique saudável em sala de aula.

Passo 6 – Aulas com movimento

São durante as aulas de Educação Física que os alunos usufruem das bicicletas ergométricas, gerando a energia necessária, que fica armazenada em uma bateria, para irrigar a horta. Em horários programados por turma, cada aluno pedala entre 15 e 30 minutos. Vale ressaltar que não é permitido utilizar nenhuma outra fonte de energia no projeto “Horta em Movimento”, a não ser a produzida pelos próprios estudantes.

Passo 7 – Avaliação

As atividades do projeto foram mensuradas por meio de relatórios mensais acompanhados pela lista de presença dos alunos, pais e funcionários da escola. Cada grupo de trabalho (dividido em três frentes: sala de ginástica, robótica e horta) realizou seu monitoramento e avaliação, em que constava os seguintes itens: (1) número de alunos, pais, professores e funcionários envolvidos diretamente nas atividades de cada grupo de trabalho; (2) tempo de execução de cada atividade proposta; (3) quantidade de alimentos colhidos da horta; (4) variedade e qualidade dos alimentos colhidos; (5) nível. Os alunos também realizaram provas escritas e trabalhos em grupos, demonstrando o aprendizado que obtiveram.

Resultados

  • 970 alunos e 8 professores participaram ativamente do projeto
  • Uma parceria com a Secretária de Esportes trouxe os pais dos alunos para aulas de Zumba na escola no período noturno, como parte da ideia de movimentar o corpo e criar vínculos entre as famílias e professores
  • Os pais também participaram enviando receitas para as aulas de cozinha experimental e alimentos para o piquenique
  • As crianças estão valorizando as melhorias da merenda da rede escolar
  • A escola ganhou visibilidade, o que gerou orgulho nos alunos e aumentou as possibilidades de serem realizados novos projetos.

 

Para saber mais acesse a página do projeto: horta com as turmas da escola.