Vencedor de 2018: Projeto Vida Saudável Sem Barreiras

Autoras: Maria Sandra Santos Leone e Kassyenne de Mattos
Escola: Escola Municipal do Iguape
Cidade: Ilhéus
Ano: 2018
Objetivos: Estimular a prática de exercícios físicos por meio de uma proposta multiesportiva adequada aos interesses, capacidades e limitações dos alunos e da comunidade do entorno. O projeto também objetivou contribuir com a formação de valores e educação dos alunos.

A falta de um espaço adequado para a prática esportiva motivou a professora de Educação Física Maria Sandra Leone e a coordenadora pedagógica Kassyenne de Mattos a criarem o projeto Vida saudável sem barreiras. O trabalho foi aplicado na Escola Municipal do Iguape, em Ilhéus (BA).

Além de estimular condutas favoráveis à saúde e qualidade de vida por meio da disponibilização de uma quadra para a prática de atividades físicas dos alunos, familiares e comunidade do entorno escolar, o trabalho visou a integração, fortalecimento da cidadania, a inclusão social, diversidade e acesso ao esporte.

Com as benfeitorias do Prêmio Crianças mais Saudáveis 2018, iniciativa da Fundação Nestlé Brasil, foi construída uma quadra em um local inutilizado na escola e adquirido diversos materiais esportivos, expandindo os benefícios para a comunidade do entorno, que utiliza o local para aulas de Zumba e circuito funcional.

Passo a passo do projeto

Passo 1 – Seleção e Inscrição

Na primeira etapa ocorreu a seleção de recursos humanos para gerir e executar as ações, a capacitação da equipe multidisciplinar (contemplando a coordenadora pedagógica, psicóloga, nutricionista, assistente social, gestora do projeto e professor de educação física), e as inscrições dos participantes nas ações do projeto. As atividades físicas ocorrem duas vezes por semana, em conjunto com o acompanhamento mensal da nutricionista, por meio de um formulário específico na escola.

Nesta fase, também foi realizada entrevista e avaliação antropométrica dos alunos e comunidade. Depois disso, os estudantes foram direcionados a equipe multidisciplinar, para os profissionais estruturarem o trabalho seguindo o interesse dos educandos. Assim, foram formados os grupos de alunos e as estratégias de cada profissional.

A comunidade pôde participar das atividades físicas assim que responderam a ficha de inscrição e a entrevista com a nutricionista.

Passo 2 – Atividade física

Aqui os alunos começaram a se movimentar nos grupos de atividades esportivas multidisciplinares.

As ações desses grupos consistiam em:

  •  Avaliação física (resistência, aeróbica e anaeróbia).
  •  Atividades pré-desportivas (combinar os movimentos do exercício físico vivenciado, compartilhando ensinamentos específicos das modalidades de futsal, voleibol, handebol e basquete).
  •  Atendimento (apoio para identificação de atividades físicas apropriadas e do interesse dos estudantes).
  • Avaliação nutricional (estimar o estado nutricional dos participantes, detectando suas necessidades alimentares, intervindo quando necessário e também orientando-os a terem uma alimentação equilibrada).

As idealizadoras do projeto tiveram a ideia de desdobrar as metas gerais desse período em pequenos desafios semanais, e acompanhar a evolução individual dos alunos.

Passo 3 – Organização do projeto

A coordenação pedagógica ficou responsável por algumas ações como a orientação didática, análise e acompanhamento dos planejamentos e capacitações, monitoramento dos indicadores educacionais e acompanhamento escolar, avaliando o índice de efetividade, frequência e desempenho do aluno.

Além da realização de atividades de sensibilização com a escola, família e a comunidade, que incluíram palestras e oficinas para informar sobre a importância dos hábitos saudáveis e as formas de convivências, o projeto também objetivou reduzir preconceitos e aumentar a inclusão social.
Em casos como baixa autoestima, o participante era encaminhado para um sistema de rede de atenção no entorno, com o acolhimento pela psicóloga e nutricionista da escola.

 

Passo 4 – Capacitação da equipe e envolvimento das famílias

Nesta etapa foram envolvidas as famílias dos estudantes e a comunidade do entorno nas ações de atividades coletivas, atendimento especializado com psicólogo e assistente social, juntamente com oficinas de saúde e lazer. Bimestralmente foram realizadas as capacitações com toda a equipe (incluindo as instituições parceiras SESI, uma faculdade da região, nutricionista e o professor de educação física) para discutir sobre as especificidades de cada grupo e metodologias de ensino voltadas para o esporte.

Também foram promovidos encontros com educadores da Rede de Ensino do município de Ilhéus, que abordaram temas como estímulo e ludicidade na Síndrome de Down, formação de professores para jogos motores na educação física e um seminário de inclusão.

Além disso, houve um evento de práticas exitosas das escolas do munícipio com diretores e vice-diretores da rede, onde o projeto Vida Saudável Sem barreiras foi apresentado, juntamente com os resultados parciais atingidos.

Passo 5 – Monitoramento e avaliação

Foram feitas reuniões mensais para avaliação dos indicadores e os resultados do projeto, possibilitando a análise de desvios e correções efetivas em tempo. Além disso, trimestralmente foram acompanhados os desempenhos das ações desenvolvidas pelos alunos, participantes e a satisfação das famílias. Os resultados, compuseram relatório para apresentação aos parceiros.

O monitoramento e avaliação foram realizados da seguinte maneira:

• Avaliação da ficha de inscrição e anamnese (entrevista realizada pelo profissional da saúde) de cada participante do projeto.
• Verificação do número de alunos em atividades permanentes com periodicidade mensal.
• Verificação do número de participantes nas atividades semanais promovidas para pais e comunidade do entorno.
• Avaliação da percepção de satisfação dos alunos do projeto.
• Análise atitudinal do aluno semestralmente.

Resultados

• 7 professores e 800 participantes do projeto (sendo 350 alunos, 450 pessoas da comunidade do entorno, incluindo familiares).
• 80% dos alunos apresentaram melhora em relação a valores atitudinais de alimentação saudável e prática de atividades físicas.
• 80% dos alunos alcançaram resultados positivos em relação a avaliação física.
• 100% de preenchimento das vagas oferecidas.
• 80% dos pais e comunidade assistidos pela equipe multidisciplinar.
• 100% dos alunos acompanhados em seus desempenhos escolares.