Olhando melhor!

Autor: Cristiana Vieira Cardoso
Escola: EPG Professor Pedro Geraldo Barbosa
Cidade/Ano: Guarulhos – 2016
Objetivos: Tornar a refeição na escola um momento de aprendizagem e de convivência social e incentivar bons hábitos alimentares.

Sou Cristiana Vieira Cardoso e sou gestora de uma escola municipal da rede de Guarulhos, EPG Prof. Pedro Geraldo Barbosa. Ao preparar as atividades, procuro passar os assuntos para os educandos de uma forma mais lúdica e prazerosa, por meio de teatro, filme, roda de conversa, pesquisas e sugestões. Já é possível observar mudanças no comportamento de alguns educandos, de forma positiva, tentando melhorar seus pensamentos ou atitudes referentes à alimentação ou ao alimento que vai comer.

Nesse desafio foram realizadas várias etapas e muitas observações do ambiente analisado. Fui ao refeitório em dias, horários e turmas diferentes. Com ele vazio e cheio de crianças se alimentando. Observei pontos positivos, negativos, busquei ideias, conversei sobre acontecimentos, comportamentos, posturas, acolhimento, situações de limpeza e higiene, e algumas regras e combinados necessários.

1ª e 2ª ETAPA – Nesse primeiro momento fui observar o refeitório quando estava vazio. Depois, fui observar a preparação do espaço para receber as crianças no momento da alimentação. Cada turma tem seu horário e 20 minutos para o almoço e jantar. Já no café, por ser um alimento mais leve, o tempo é de 10 a 15 minutos. Cada professor acompanha sua turma e auxilia os alunos na hora da refeição.

3ª ETAPA – A pós observar o espaço do refeitório, fui conversar com as turmas, durante mesmo os horários das refeições. Aproveitei para falar um pouco mais sobre o projeto, sobre os desafios que tínhamos para cumprir, expliquei as etapas e pedi ajuda para todos. Pedi a colaboração no cuidado com o ambiente e respeito com o alimento oferecido e falei um pouco sobre a importância dos bons hábitos alimentares, questões como dicas de saúde e sobre cumprir as regras dentro do refeitório da escola.

4ª ETAPA – Em outro momento, retornei ao refeitório e deixei uma caixinha de sugestões que serviriam tanto para as cozinheiras quanto para a gestão escolar. Tudo para melhorar o atendimento e o espaço. Duas vezes por semana procurava
acompanhá-los nas refeições, observar pontos positivos e negativos, propondo sugestões e possibilidades de melhoras. Tudo discutido no coletivo, em grupo.

5ª ETAPA – Fui conversar com as cozinheiras sobre o refeitório e sobre a cozinha, o que tínhamos de problemas e quais as sugestões. Falamos e pontuamos tudo, incluindo o espaço, o acolhimento, a exposição das comidas, cardápios mais variados de acordo com os alimentos disponíveis, além da criatividade de se criar pratos diferentes e como estimular as crianças a comer melhor.

6ª ETAPA – Fui ler as sugestões dos educandos referentes ao refeitório, ao cardápio, ao espaço e ao tempo oferecidos. Muitos pediram que servíssemos mais gelatina, suco e saladas variadas, além de bolo de chocolate. As cozinheiras foram respondendo essas sugestões por escrito e por meio de conversas durante as refeições.

 7ª ETAPA – Confeccionamos cartazes informativos sobre legumes e verdura, suas propriedades, benefícios para nossa saúde, como se fosse um quadro de curiosidades. Os educandos liam e comentavam entre eles e com as famílias. Muitos pais comentavam com os professores sobre as mudanças nos hábitos alimentares dos filhos e os assuntos que levavam para casa.

Quem participou?

• Alunos
• Professores
• Nutricionistas
• Pais de alunos
• Comunidades escolar
• Parceiros da escola
• Fornecedores e apoio de gestão
• Cozinheiras e funcionários no geral
• Direção, coordenação, supervisão e agentes escolares

Todos que estão ao nosso redor acabaram vestindo a camisa do projeto. Cada um contribuiu com um pouquinho com ideias, livros, textos, painéis, roda de conversas, pesquisas, sugestões, divulgações etc. Com a equipe unida, conseguiremos mais resultados positivos.

Desdobramentos

Nesse desafio surgiram outras ideias e ações para aperfeiçoarmos as etapas do nosso projeto. Como estamos sempre buscando parcerias, acabam surgindo novas dicas que consequentemente exigem outras atividades ou ações.

A caixinha de sugestões considero como desdobramento, pois temos que ler cada carta e dar uma devolutiva para os educandos, comentando o que é possível fazer, mudar ou acrescentar. A construção da horta também é outro desdobramento, pois continuamos com as plantações, os cuidados, as visitas e estudos. A confecção de cartazes informativos, de curiosidades, sobre alimentos, montagem coletiva do cardápio do dia, tudo isso faz parte das atividades que vão acontecendo além do projeto.

Ao final de cada desafio, fazemos a análise do que poderia ter sido melhor, e nesse desafio ”Olhando melhor” penso que tudo aconteceu conforme planejado.